sexta-feira, 7 de setembro de 2018

Brasil: Medalha Aos Mais Bravos (Pernambuco, 1824)


(Segunda) medalha de distinção ao Exército Cooperador da Boa Ordem ("Aos mais bravos") [por operações contra a revolta em Pernambuco em 1824, a Confederação do Equador]. Foi criada juntamente com a primeira Medalha de Distinção 
Foi, como a primeira, criada a 20 de Outubro de 1824, e é considerada a mais rara condecoração brasileira do primeiro reinado. Teve duas cunhagens, uma no Rio de Janeiro e outra no Recife.
O Almirante Cochrane recebeu indicação de outorgar apenas 6 exemplares desta medalha [Sisson, no texto em baixo fala de 12]. Contra o que seria normal, à altura e no Brasil, a insígnia deveria ser usada no peito direito.


Em ouro para todos os agraciados, o seu formato era redondo, com dois copos e duas pontas de espadas, encimada pela coroa imperial.
A medalha deveria ter a efige do Imperador no anverso, e a o anverso conforme apresentado na imagem.
No entanto, alguns exemplares foram cunhados sem a éfige [casa da insignia na imagem], e sem qualquer elemento, levando muitos a considerar o reverso como anverso. [in: SILVA, 1983]


Almirante Pedro Ferreira de Oliveira
À altura da litografia de Sisson, na década de 1850, Pedro Ferreira de Oliveira era chefe de esquadra (equivalente a Vice Almirante hoje) da Imperial Marinha. O ornato nas mangas do casaco indicam cargos e não a patente; essa é indicada pelas folhas no fim das mangas e na gola.

No peito direito, a medalha de valor Aos Mais Bravos, da campanha de Pernambuco, em 1824. (Como era da Marinha, não recebeu a medalha geral, que foi dada apenas à tripulação da Maria Glória.)
Ao pescoço, gravatas, em cima, a de comendador da Imperial Ordem de Aviz e, por debaixo, a Medalha do Barão de Laguna ou de Distinção do Sul. 
No peito esquerdo, a filada superior: Cavaleiro de Real Ordem de Cristo (Portugal), e uma Medalha que não consigo identificar (pode ser cavaleiro da Imperial Ordem de Rosa, mas pode ser uma medalha diferente)
A placa na filada central, Oficial da Imperial Ordem do Cruzeiro. Na fila de base, a placa de comendador da Imperial Ordem de Aviz.

"Em 1824, ano de provações para o país, rompeu de novo a guerra civil em Pernambuco. Organizou-se para operar ali uma divisão naval, tendo o comando em chefe dela o oficial-general Davi Jevret, que sabia escolher oficiais. Seguiu nessa divisão o primeiro-tenente Pedro Ferreira de Oliveira. Era o seu batismo de fogo. Cumpria combinar com o General Lima, comandante do exército legal que sitiava a cidade, um plano de ataque por mar e terra. Essa comissão, extremamente delicada, espinhosa e de dificílima execução, não podia deixar de ser confiada a um oficial de inteligência, vista penetrante e sangue-frio. A honra de desempenhá-la coube a Pedro Ferreira de Oliveira. Ele a preencheu como era de esperar-se. Julgue-se dos perigos que afrontou e do valor que desenvolveu por este fato: dezesseis homens o acompanharam, e deles só voltou com vida um marinheiro!
Os serviços que prestou nessa conjuntura, o peso e o valor de suas reflexões criaram-lhe uma reputação indestrutível, e captaram a amizade e o respeito dos dois generais, como consta da correspondência íntima dos mesmos e das ordens do dia. A execução do plano de ataque deu em resultado a tomada da cidade.
A previdência e o denodo do jovem oficial foram galardoados com o comando do brigue Independência ou Morte, e com uma das doze medalhas com que o Imperador distinguiu os mais valentes, e na qual de um lado se vê a efígie de D. Pedro I, e do outro lê-se: Aos mais bravos." (Sisson)

Fontes
- Sisson, S. A. Galeria dos brasileiros ilustres. Brasília : Senado Federal, Secretaria Especial de Editoração e Publicação, vol I e II, 1999
Silva, CMG Léo Fonseca e  (redator), Marinha do Brasil: Medalhas e Condecorações, Serviço de Documentação Geral da Marinha, Rio de Janeiro, 1983

2 comentários:

  1. Excelente informação . obrigado por compartilhar.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado pela visita. As condecorações do primero reinado são muito interessantes e, infelizmente, há pouca informação, mas espero contribuir para o avanço do conhecimento delas.

      Eliminar