quinta-feira, 29 de agosto de 2019

Clio & Marte

A Clio & Marte é um espaço para coleccionadores e amantes de História militar, determinado na divulgação de peças históricas, como medalhas, emblemas, distintivos, livros que já não estão em circulação, com um forte interesse em Portugal e Brasil.  Clio, a musa grega da História, e Marte, o deus romano da guerra, simbolizam a junção divina que faz mexer o coleccionador de peças e a sua necessidade de explorar novas peças. Pela divulgação da Falerística, da História e ao serviço do colecionador.
* * *
Clio & Mars is a place for collectors and military history enthusiasts, determined to show historical pieces such as decorations, medals, emblems, badges, books that are no longer in circulation, with a strong interest in Portugal and Brazil. Clio, the Greek muse of history, and Mars, the Roman god of war, symbolize the divine junction which moves the collectors and their need to explore new pieces.

quarta-feira, 28 de agosto de 2019

D. Pedro and D. Maria Medal - Campaigns of Liberty


MEDALHA DE D. PEDRO E D. MARIA
"CAMPANHAS DA LIBERDADE" / "SERVIÇOS CIVIS"


HISTORY AND REGULATIONS

Officially designated as D. Pedro and D. Maria Medal (referring to D. Pedro IV and D. Maria II), it was created by decree of the Secretary of State for Affairs of War, in October 16, 1861, and published in the Order of the Army nr. 24 the same year. 

It was intended to “give a public testimony of the […] benevolence to those which, with admirable perseverance, and beyond seemingly unconquerable difficulties, supported” (translated quotation from the decree) the cause of Portuguese Liberalism, during the Civil War fought from 1828 to 1834, between the Liberals and the Absolutists (or Miguelists, referring to D. Miguel).


DESIGN


The medal, with 3 cm diameter, has in the OBVERSE the superimposed effigies of D. Maria II and D. Pedro IV, with the dates 1828-1834 in the lower part, in 2 lines. The REVERSE has the encircling legend "Campanhas da Liberdade" (Campaigns of Liberty) or "Serviços Civis" (Civil Services), depending on the, respectively, military or civilian nature of the services. In the center of the reverse a number, between 1 and 9, corresponding to the number of years served.


The pendant is suspended from a dark blue ribbon, with a narrow white vertical line in the center, for the military service, or dark blue with narrow white vertical lines on the edge, for the civilian services.



Simple ribbons

Campanhas da Liberdade (military)

Serviços Civis (civilians)


Auxiliary Division to Spain Medal (1835-37)


Medalha da Divisão Auxiliar a Espanha

HISTORY AND REGULATIONS

By decree of December 12, 1863, published in the Order of the Army nr. 52 (Dec. 16, 1863), a medal was created to commemorate the services of the military in the Auxiliary Division who served in Spain between 1835 and 1837, during the 1st Carlist War.

DESIGN


Medals with 3 cm diameter, SILVER for officers and COPPER for enlisted men.
OBSVERSE: the legend “HESPANHA”, with “1835 A 1837” below;
REVERSE: the legend “DIVISÃO AUXILIAR”.

Simple ribbon


SAIBA MAIS EM:
- RODRIGUES, Manuel Ribeiro, “DIVISÃO AUXILIAR A ESPANHA - 1835 A 1837” in: http://www.portugalweb.net/historia/viriatus/Carlista_01.asp.htm [em português]

Imagem ao topo
- Augusto Ferrer-Dalmau, "Calderote" in: wikicommons

Queen D. Amélia Medal (Campaigns)


MEDALHA DA RAINHA DONA AMÉLIA

HISTORY AND REGULATIONS

The Queen D. Amélia Medal was created in December 23, 1895 to commemorate 2 specific overseas campaigns – Mozambique (1894-1895) and India (1895). Both campaigns were very popular among the Portuguese public, especially Mozambique, which resulted in a victory over the Gaza Empire and its sovereign Gungunhana.
The medal had three degrees, gold, for chiefs of Force, silver for all other officers and copper for NCO and enlisted.

With the increasing Portuguese involvement in the pacification of its empire, it’s decided, in June 6, 1896, to extend the medal to new overseas campaigns. Each new medal would have a different reverse, as well as a different inside color on the ribbon.

In December 11, 1902, a third alteration is made, which transformed the decoration into a general service medal, with the same ribbon, obverse and reverse, but with different clasps for each new campaign. It remains so until the instauration of the Republic in 1910.

The Portuguese Army Campaigns Commemorative medal, in 1916, is its immediate heir, being that all clasps before 1910 could be used in the new medal.

DESIGN

For the medal after 1902, serving as a general service medal:

OBVERSE: Effigy of Queen D. Amélia;
REVERSE: Legend "CAMPANHAS DO ULTRAMAR" (Overseas Campaigns), and a laurel encircling to the left.


NOTES

CLASPS APPROVED FOR THIS MEDAL
DATE
[FULL NAME] LEGEND
23/11/95
[EXPEDIÇÃO A] MOÇAMBIQUE 1894-1895 (*)
23/11/95
[EXPEDIÇÃO À] INDIA 1895 (*)
28/8/97
[EXPEDIÇÃO CONTRA OS] NAMARRÃES 1896 (*)
4/11/97
[EXPEDIÇÃO À] INDIA 1896 (*)
8/11/97
[CAMPANHA DE] TIMOR 1896 (*)
14/12/97
[OPERAÇÕES EM] GAZA 1896 (*)
31/12/97
[GUERRA DE] TIMOR 1895 (*)
19/1/99
[CAMPANHA DO] HUMBE 1898 (*)
19/7/1901
[GUERRA DE] TIMOR 1900 (*)
-
ZAMBEZIA 1897 (**)
-
ZAMBEZIA 1898 (**)
-
NYASSA 1899 (**)
11/12/02
OIO 1902
11/12/02
BAILUNDO 1902
11/12/02
BARUÉ 1902
-
SELLES 1902-1903
-
MULONDO 1905
-
CUAMATO 1907
-
DEMBOS 1907
-
DEMBOS 1907-1908
-
GUINÉ 1908
-
ANGOCHE 1910

(*) Own commemorative medal before 1902;
(**) - Probably own commemorative medal before 1902.
[EXPEDIÇÃO A] = EXPEDITION TO
[EXPEDIÇÃO CONTRA OS] = EXPEDITION AGAINST THE
[GUERRA DE] = WAR OF
[CAMPANHA DO/DE] = CAMPAIGN OF
[OPERAÇÕES EM] = OPERATION IN

Fair Guide: Medalha Militar 1863












terça-feira, 29 de janeiro de 2019

Medalha Comemorativa: D. Pedro V - Expedição de Angola 1860


Medalha de D. Pedro V

Criada a 15 de Abril de 1862, para comemorar a campanha de Angola, que decorreu entre 1859 e 1860 no norte dessa província, nomeadamente a forte expedição que partiu do Continente e de Moçambique, mas também algumas forças do exército colonial. Em causa estava a sucessão do reino do Congo, com o epicentro em S. Salvador do Congo, hoje Mbanza Kongo.

Era entregue em grau ouro aos chefes de força, em grau prata aos restantes oficiais, e em cobre aos sargentos e praças. 

Na foto de topo a condecoração é a grau Ouro atribuída ao capitão tenente Baptista de Andrade (1811-1902), chefe de uma das colunas do exército durante a campanha, em exposição no Museu da Marinha. Recomendo fortemente uma visita a este excelente museu [visite].

Grau Cobre, anverso.
A medalha foi desenhada por Augusto Fernando Gerard, importante gravador e artista que pode conhecer melhor Aqui. De notar a assinatura "A.F.G. F[ecit]" na base da éfige.



A fita era originalmente para ser azul ferrete, como ficou, com as margens em branco. No entanto, para não ficar igual à medalha das Campanhas da Liberdade, alterou-se para dourado.

Ainda na sua criação em lei, o ano a colocar no reverso era 1859, mas foi corrigido para 1860, conforme se pode ver nas duas leis que criaram e regulamentaram a condecoração.

A fita recebe ainda, como é frequente na falerística portuguesa, uma fivela com o metal relativo ao grau correspondente.


Grau Cobre, reverso.

Textos de lei que instituem a medalha e correção posterior:


Considerando de manifesta utilidade e reconhecida justiça honrar os serviços prestados à pátria, e perpetuar a memoria dos sacrifícios feitos pela nação ; Considerando que por esta forma se estimulam as nobres aspirações e os brios generosos; Considerando digna de especial menção e recompensa a expedição enviada a Angola no ano de 1859, assim pela arriscada crise em que se realisou, como pelas funestas consequências que preveniu: hei por bem, dando execução ao expresso pensamento de meu muito amado e sempre chorado irmão o Senhor Rei D. Pedro V, de abençoada memoria, instituir uma medalha comemorativa da dita expedição, que se denominará — Medalha de D. Pedro V —, e será distribuída a todos os indivíduos que na mesma expedição tomaram parte, qualificados estes em três classes; chefes de forças, oficiais e praças de pré, marinhagem ou tropa : devendo aos primeiros competir a medalha cunhada em ouro, aos segundos em prata, e aos terceiros em cobre; e devendo mais a referida medalha, que de um lado terá a effigie de Sua Majestade o Senhor D. Pedro V, e do outro a letra — Expedição de Angola: 1859ser usada pendente de fita azul escuro, orlada de branco. O ministro e secretario de Estado dos Negócios da Marinha e ultramar assim o tenha entendido e faça executar. Paço em 15 de Abril de 1862. — REI — José da Silva Mendes Leal.
*


Considerando indispensável rectificar a data que entra na letra da medalha de D. Pedro V, comemorativa da expedição de Angola, e instituída pelo decreto de 15 de Abril do corrente ano, pois que a expedição referida se efetuou no ano de 1860; Considerando também conveniente alterar a ordenança das cores na fita da mesma medalha, para que não possa confundir-se com a denominada de D. Pedro e D. Maria, criada por decreto de 16 de Outubro de 1861 : hei por bem determinar: primeiro, que a letra da medalha de D. Pedro V, exarada no precitado decreto de 15 de Abril do corrente ano, seja substituída: — Expedição de Angola: 1860 — ; segundo, que a fita correspondente seja de cor azul ferrete, orlada de amarelo. O ministro e secretario de Estado dos negócios da marinha e ultramar assim o tenha entendido e faça executar. Paço em 12 de Junho de 1862. — REI — José da Silva Mendes Leal.